sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Doce Canção da Amargura
Pois esta é uma doce canção da amargura,esta é a vida
Tente viver de acordo com seus recursos
Você é um escravo do dinheiro, então você morre
Eu te levarei pela única estrada em que já estive
Você conhece aquela que te leva aos lugares
Onde todas as tendências se encontram, sim
Não mude, eu posso mudar
Eu posso mudar, Eu posso mudar
Mas eu estou aqui no meu modo
Eu estou aqui no meu molde
Mas sou um milhão de pessoas diferentes
De um dia para outro
Eu não posso mudar meu molde
Não, não, não, não, não

Bem, eu nunca rezo
Mas esta noite estou ajoelhada, sim
Eu preciso ouvir alguns sons que identifiquem a dor em mim, sim
Eu deixo a melodia brilhar, deixo-a limpar minha mente, eu me sinto livre agora
Mas as rotas aéreas estão claras e não há ninguém cantando para mim agora

Não mude, eu posso mudar
Eu posso mudar, eu posso mudar
Mas eu estou aqui no meu molde
Eu estou aqui no meu molde
E eu sou um milhão de pessoas diferentes
De um dia para outro
Eu não posso mudar meu molde
Não, não, não, não, não,
Eu não posso mudar
Eu não posso mudar.

Pois é uma sinfonia agri-doce, esta vida
Tente viver de acordo com seus recursos
Tente achar algum dinheiro, então você morre
Eu te levarei pela única estrada em que já estive
Você conhece aquela que te leva aos lugares
Onde todas as coisas se encontram, sim

Você sabe que eu posso mudar, eu posso mudar
Eu posso mudar, Eu posso mudar,
Mas eu estou aqui no meu molde
Eu estou aqui no meu molde
E eu sou um milhão de pessoas diferentes
De um dia para outro...
Eu não posso mudar meu molde
Não, não, não, não, não...

Eu não posso mudar meu molde
Não, não, não, não, não,
Eu não posso mudar
Não posso mudar meu corpo,
Não, não, não

Eu te levarei pela única estrada em que já estive
Eu te levarei pela única estrada em que já estive
Estive
Já estive
Já estive
Já estive
Já estive
Você já esteve?
Você estará?

Nenhum comentário: